Ariano Galdino teria utilizado estrutura da ALPB para promover esposa em Pocinhos

Uma denúncia registrada em fotos e vídeo vem ganhando projeção nas redes sociais e portais da região de Pocinhos. No último domingo (03), o presidente da Assembleia Legislativa, o deputado estadual, Adriano Galdino (PSB) está sendo acusado de usar a estrutura da ALPB em evento privado em prol da sua mulher, Eliane Moura Galdino que é pré-candidata a prefeita no município de Pocinhos. Segundo a denúncia, Galdino levou materiais, serviços, bens móveis e servidores do Poder Legislativo para angariar votos à sua esposa.





A Resolução nº 23.457, de 15 de dezembro de 2015 é clara na proibição de bens públicos em prol de eventos partidários, nesta semana o portal revelou denuncia no qual o deputado que também é pré-candidato a prefeito de Campina Grande teria usado o espaço público para uma das suas plenárias. E no dia 27 adiou para o dia 04/07 outro evento, em espaço público, este cancelado de última hora após a repercussão negativa. 



O evento do último domingo, em Pocinhos, contou com bandas musicais, entre elas Encantus e Forró Bakana, montagem de palco, seguranças (contratados em João Pessoa ), banheiros químicos, bebidas, comidas. Até o ônibus da Assembleia Legislativa da Paraíba foi utilizado para o translado de pessoal da Capital para Pocinhos para trabalharem e o transporte esteve visível nas ruas da cidade, durante a realização do evento.


VEJA O VÍDEO DO ÔNIBUS A DISPOSIÇÃO DA CANDIDATA DO DEPUTADO EM POCINHOS:  


Conheça o que diz a Resolução Eleitoral :

A Resolução Nº 23.457, de 15 de dezembro de 2015, dispõe sobre propaganda eleitoral, utilização e geração do horário gratuito e condutas ilícitas em campanha eleitoral nas eleições de 2016. Veja aqui as condutas vedadas aos agentes públicos.Para a imprensa do interior é importante observar o artigo VI deste Capítulo IX, que determina que a partir de 2 de julho de 2016 é vedada a autorização de publicidade institucional pela prefeitura e demais órgãos públicos. As despesas com publicidade não devem exceder a média dos gastos no primeiro semestre dos três últimos anos que antecedem o pleito.