Benjamin: Telemarketing gera 12 mil empregos e com PL 4.302 setor vai ampliar vagas

Benjamin: Telemarketing gera 12 mil empregos e com PL 4.302 setor vai ampliar vagas O deputado federal Benjamin Maranhão (SD) visitou nesta sexta-feira (31) a empresa de telemarketing AeC Contact Center, instalada em João Pessoa , ao lado do diretor Cássio Rocha de Azevedo. Só essa organização emprega 9,5 mil funcionários da Paraíba. Entre os assuntos tratados, estava o Projeto de Lei (PL) 4.302/1998 que libera a terceirização para todas as atividades das empresas e que foi aprovado pela Câmara Federal. A medida vai possibilitar que o setor cresça, ampliando o número de empregos no Estado.     A AeC Contact Center gera 3,5 mil empregos em João Pessoa e 6 mil em Campina Grande . "O setor de telemarketing emprega 12 mil pessoas só nas duas maiores cidades do Estado e com aprovação do projeto da terceirização existe a possibilidade de ampliar o número de empregos e isso é muito bom, ainda mais em um período de crise, em que estamos com mais de 20 milhões de desempregados", comentou.   Cássio Rocha de Azevedo falou sobre a possibilidade de crescimento do setor na Região Nordeste, principalmente, após a aprovação em definitivo do projeto da terceirização que se encontra no Senado Federal. Destacou que os clientes acabam exigindo a mão de obra dos nordestinos pela qualidade do trabalho desenvolvido.      O parlamentar destacou que existe muita contra-informação em relação ao PL 4.302/1998. "Não existe essa história de perder direitos trabalhistas, eles continuarão existindo. O que fizemos foi regulamentar uma forma de trabalho que já existe. O trabalhador não será prejudicado e ainda temos a possibilidade de gerar mais postos de emprego", comentou.   Benjamin disse que foi surpreendido de forma positiva com as condições de trabalho dentro da empresa. O ambiente é muito bem cuidado e é visível a valorização dos colaboradores com projetos para gestantes, refeitório, armários individuais e possibilidade de crescer dentro da empresa. "Estamos regulamentando esse tipo de trabalho, com empresas que cuidam e valorizam os seus funcionários. Não existe precarização e não existe perda de direitos", disse.     Ascom