Comarca de Água Branca atinge a Meta 2 do CNJ

Fórum da Comarca de Água Branca

A Vara Única da Comarca de Água Branca, localizada no Sertão paraibano, atingiu a Meta 2 estabelecida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A unidade judiciária, que tem à frente o juiz Pedro Davi Alves de Vasconcelos, conseguiu, em menos de um mês, reduzir o número de processos conclusos de quase 580 feitos para cerca de 360.

O juiz Pedro Vasconcelos é Substituto na 1ª Vara Mista da Comarca de Princesa Isabel e responde, também, pela unidade em Água Branca há um mês. Na Comarca, onde havia um acervo de 2.600 processos, o magistrado promoveu um esforço concentrado para o julgamento dos processos que constam na lista da Meta firmada pelo CNJ.

O magistrado destaca que o esforço foi supervisionado pela assessora Gilma Suênia Batista e contou com o empenho de servidores e colaboradores, dedicação que permitiu atingir o mínimo exigido para a unidade. Participaram da ação a promotora Socorro Mayer, os defensores Jocel Alves de Freitas e Francisco Sales Lisboa, e o chefe de cartório Rubiano Figueiredo de Lucena.

"O resultado é fruto do trabalho dos juízes que já responderam pela Vara, da dedicação dos esforçados servidores que a compõem, como também dos colaboradores. O próximo passo é julgar todas as ações penais com réu preso e conseguir um grande número de conciliações a serem realizadas na XII Semana Nacional de Conciliação com vistas à redução da taxa de congestionamento. Ganha a sociedade que se serve do serviço prestado", declarou o magistrado.

Meta 2 de 2017? Julgar processos mais antigos. Identificar e julgar até 31/12/2017, pelo menos 80% dos processos distribuídos até 31/12/2013, no 1º Grau, e até 31/12/2014, no 2º Grau, e 100% dos processos distribuídos até 31/12/2014, nos Juizados Especiais e Turmas Recursais.

 

Por Marília Araújo (estagiária)