Denise poderá ter que votar em Damião Feliciano para deputado Federal

As eleições 2018 prometem muitas surpresas que só deverão ficar claras com o aproximar ou, após o afastamento de alguns mandatários que deverão optar por continuar nos mandatos, ou deixar os cargos e partir para mais uma disputa. Um desses casos é o do governador Ricardo Coutinho que, até o momento, aparece como o único a vislumbrar uma eleição tranquila para o Senado Federal, com uma aprovação popular que ultrapassa os 70%.

Nesse caso, assumiria a principal cadeira do executivo estadual a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), que passaria a ter a força da caneta e toda máquina estadual. E como é do conhecimento de todos, Lígia não figura entre os nomes preferidos de Ricardo Coutinho para sucedê-lo e, mesmo com o poder na mão, dificilmente entraria na disputa no ano que vem.

Mas, um objetivo da vice-governadora é evidente, garantir a reeleição do seu esposo o deputado federal Damião Feliciano (PDT), "macaco velho" na política, e que deverá está auxiliando de forma direta a esposa, caso assuma o governo do estado. Nesse caso, Lígia deverá fazer um trabalho forte junto aos prefeitos e principais lideranças de situação do estado em prol da candidatura de Damião, principalmente junto ao seu corpo de auxiliares.

Atualmente, a ex-prefeita de Cajazeiras Dra. Denise Albuquerque é secretária executiva de Desenvolvimento Humano, cargo que assumiu logo após a derrota nas eleições do ano passado. Denise que tem sido fiel ao deputado Efraim Filho (DEM) poderá, caso tudo transcorra dessa forma, ter que fazer uma opção entre o aliado e o esposo da governadora. Para votar em Efraim, Denise teria que se afastar do cargo, como também, os seus aliados que ocupam cargos no governo, o que na opinião de muitos, dificilmente acontecerá.

Mas, como para que isso aconteça é necessário que o governador opte por disputar a eleição para o Senado, é aguardar para ver, afinal, muita água ainda vai passar por baixo dessa ponte.