Empresário paraibano desaparece e deixa funcionários e fornecedores ‘a ver navios’

Funcionários de um centro de aulas preparatórias para concurso s estão lutando para receber seus direitos. Depois que a empresa Solaris Cursos e Concursos fechou, os profissionais encontraram bem mais problemas que simplesmente o desemprego.
Sob a batuta do carismático Rodrigo Andrade, a Solaris Cursos e Concursos contava com oito unidades distribuídas por João Pessoa , Campina Grande , Santa Rita e Natal. Com a recessão econômica a empresa diminuiu suas unidades, reduzindo a três unidades.

A Solaris Cursos fechou no início do mês de maio as unidades no Bairro dos Estados, Bancários e Santa Rita , o que os funcionários não previam é que ao enfrentar o desemprego, não contariam nem com o apoio do FGTS.



Prejuízo
De acordo com as redes sociais, vários funcionários não receberam o FGTS, pois mesmo sendo descontado em folha todos os meses, os depósitos não foram realizados. Alguns ainda reclamam que direitos como férias, salários e décimos terceiros não foram quitados. Alguns acordos foram realizados com o empresário Rodrigo Andrade, mas depois de pagar algumas parcelas o mesmo desapareceu. Os prejudicados tentaram telefones e redes sociais, mas o empresário sumiu.

Sem perspectiva de qualquer ressarcimento os funcionários e fornecedores apelaram às redes sociais na tentativa de mobilizar a sociedade e fazer pressão para que o empresário quite seus débitos.

A postagem inicial conta com quase 50 compartilhamentos e os comentários mostram diversos problemas e dívidas.










print-2 print-3 print-comentario




Alunos prejudicados
Fechando as portas sem aviso prévio a empresa não prejudicou apenas funcionários, mas também alunos, que recorreram ao Procon para garantir o ressarcimento de matrículas e mensalidades. Cerca de 90 estudantes foram prejudicados e tentaram entrar em acordo. Ao comparecerem à unidade, os alunos encontraram um aviso, que dizia para os alunos procurarem seus direitos. O empresário Rodrigo Andrade chegou a pedir o intermédio do Procon, mas ele sumiu após a primeira conversa e agora sequer atende ao telefone.


Resposta
O Polêmica Paraíba coloca-se a disposição do empresário e qualquer representante legal que queira dar o outro lado da história.

 

Polêmica Paraíba