GUIA   Cidades  |  Notícias  |  Paraíba
PARAIBANO
 
 
João Pessoa
 

João Pessoa



João Pessoa


Mapa da Cidade


Exibir mapa ampliado

João Pessoa é a capital do estado da Paraíba

É conhecida como "Porta do Sol", devido ao fato de, no município, estar localizada a Ponta do Seixas, que é o ponto mais oriental das Américas, o que faz a cidade ser conhecida como o lugar "onde o sol nasce primeiro nas Américas". Fundada em 1585 com o nome de "Nossa Senhora das Neves", a cidade de João Pessoa é a terceira capital de estado mais antiga do Brasil, tendo já sido fundada com título de cidade.

É a cidade mais populosa do estado, com cerca de 750.000 mil habitantes e sua região metropolitana formada por João Pessoa e outros dez municípios forma 1 milhão e 150 mil habitantes. João Pessoa é cidade com maior economia do Estado da Paraíba, representando 30,7% das riquezas produzidas na Paraíba. E o maior índice de desenvolvimento humano (IDH) do estado, com 0,783.

O município possui clima tropical. É famosa pelas suas praias e pelos vários monumentos de arquitetura e arte barroca. Durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, em 1992, João Pessoa recebeu o título de "segunda capital mais verde do mundo". Segundo um cálculo baseado na relação entre número de habitantes e área verde, a cidade perderia apenas para Paris.

É uma das capitais de melhor qualidade de vida da Região Nordeste do Brasil, possuindo diversos locais que auxiliam a população da cidade a obter uma vida melhor e de qualidade. Suas praças contam com equipamentos de ginástica, além de ciclovias espalhadas pela cidade. É lei o fechamento de parte da orla para caminhadas nas manhãs (das 5 às 8 horas). João Pessoa foi uma das duas principais cidades da Nova Holanda, junto com Mauritsstadt (a atual Recife). Possui antigo e vasto patrimônio histórico, similar ao de Olinda (mas, ao contrário desta última, manteve seu status de sede). Dados de 2000 mostram João Pessoa como a capital menos desigual do Nordeste, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, com o coeficiente de gini de 0,63.

A cidade de João Pessoa foi considerada, pela organização International Living, como uma das melhores cidades do mundo para se desfrutar a aposentadoria[carece de fontes]. No ranking feito anualmente pela organização, a capital paraibana surge ao lado da também nordestina Fortaleza como as únicas cidades brasileiras citadas na lista nesse ano. Apenas cinco cidades sul-americanas foram incluídas. Além das brasileiras, Montevidéu, Colônia do Sacramento e Punta Del Leste, todas no Uruguai, completam as cinco cidades da América do Sul indicadas para se desfrutar aposentadoria.

História da Cidade

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos tupis procedentes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus, a região constituía a fronteira entre os territórios das tribos tupis dos potiguaras (que se localizavam ao norte) e dos tabajaras (que se localizavam ao sul)12 . Estes últimos se aliaram aos colonizadores portugueses, enquanto que os primeiros se tornaram ferrenhos adversários dos mesmos.

No dia 5 de agosto de 1585, os colonizadores portugueses fundaram a "Cidade Real de Nossa Senhora das Neves" numa colina às margens do rio Sanhauá, um afluente do rio Paraíba, 18 quilômetros acima da foz deste último. Em 1588, a cidade adquiriu o nome de "Filipeia de Nossa Senhora das Neves", em homenagem ao rei Filipe, que, na época, acumulava os tronos da Espanha e de Portugal.
Logo após a sua conquista pelos Países Baixos, a cidade passou a se chamar Frederikstad, a partir de 163416 . Depois do declínio da Nova Holanda e com a saída dos neerlandeses, a cidade adquiriu o nome de "Cidade da Parahyba" em 1654.


Praça dos Três Poderes
Sua denominação atual, "João Pessoa", é uma homenagem ao político paraibano João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, assassinado em 1930 na cidade do Recife, quando era presidente do estado e concorria, como candidato a vice-presidente da República, na chapa de Getúlio Vargas. O fato causou grande comoção popular, sendo o estopim da Revolução de 1930, embora se discuta se realmente houve motivação política no ato, que foi executado por João Duarte Dantas, advogado cujo escritório fora invadido por tropas governamentais, tendo sido suas cartas à professora Anayde Beiriz trazidas a público.

A Assembleia Legislativa Estadual aprovou a mudança do nome da capital em 4 de setembro de 1930. Há algum tempo, cidadãos pessoenses discutem a possibilidade de rever a homenagem e substituir o nome de João Pessoa por outro, entre os quais figuram "Paraíba", "Filipeia" e "Cabo Branco",18 sendo que alguns movimentos até manifestam apoio à ideia de um plebiscito para tal nomenclatura ou uma consulta popular, como faz atualmente o "Coletivo Cultural Anayde Beiriz", projeto em andamento do Movimento Paraíba Capital Parahyba;18 19 entre outros argumentos, alega-se que a mudança de nome (assim como a alteração da bandeira estadual), em 1930, foi realizada em um momento de comoção e de instabilidade social, quando vários adversários políticos do grupo de João Pessoa foram presos e mortos. Acrescenta-se ainda que não há consenso sobre as virtudes de pessoa e de gestor público as quais confeririam o mérito ao ex-presidente da Paraíba (na época, denominação para o cargo de governador) para tal homenagem. De outra parte, os defensores da manutenção do nome argumentam que João Pessoa foi político exemplar e que combateu o coronelismo e as oligarquias.

A cidade de João Pessoa nasceu nas margens do rio Sanhauá, a partir de onde subiu as ladeiras em direção ao que hoje é o Centro. A expansão urbana ocupou a antiga área rural. A partir da segunda metade dos anos 1960, com a ocupação da orla marítima, a economia da área perdeu um pouco de sua importância de outrora. No que diz respeito à arquitetura, os bairros do Centro comportam a maior parte das áreas que são objeto de tombamento pelos órgãos de proteção ao patrimônio: dentre elas, o Centro Histórico, Rua das Trincheiras e as proximidades da Rua Odon Bezerra, no bairro de Tambiá.

Geografia
A cidade localiza-se na porção mais oriental das Américas e do Brasil, com longitude oeste de 34º47'30" e latitude sul de 7º09'28. O local é conhecido como a Ponta do Seixas.

A altitude média em relação ao nível do mar é de 37 metros, com altitude máxima de 74 metros nas proximidades do rio Mumbaba, predominando em seu sítio urbano terrenos planos com cotas da ordem de 10 metros, na área inicialmente urbanizada.

O clima da cidade é quente e úmido, do tipo intertropical, com temperaturas médias anuais de 25 °C. A menor temperatura registrada na cidade foi de 16,2 C, e a maior foi de 35,5°C. O "inverno" inicia-se em março e termina em agosto. São duas estações climáticas definidas apenas pela quantidade pluviométrica, sem alteração significativa na temperatura (vide climograma). As chuvas ocorrem no período de "outono e inverno" e durante todo o resto do ano o clima é de muito sol. A denominação mais usual para o clima da cidade é o de tropical úmido. O excesso de calor e a umidade relativa do ar, alta o ano todo, torna o clima desconfortável para trabalho e produção.

Umidade relativa do ar: a média anual é de 80%. Entre os meses de maio a julho, o índice atinge o máximo, 87%, correspondendo à "época das chuvas". No período mais seco, é reduzido para 68%.

Vegetação: Mata Latifoliada Perenifólia Costeira (Mata Atlântica). Embora bastante devastada, a cidade conta com importantes resquícios da Mata Atlântica original preservados.
Densidade demográfica: 3 336,8 habitantes por quilômetro quadrado.

Hidrografia
Rio Jaguaribe
Em João Pessoa, existem cerca de doze rios. O Rio Jaguaribe nasce no conjunto Esplanada, cruza o Jardim Botânico Benjamim Maranhão, no meio da Mata do Buraquinho, e desemboca no Oceano Atlântico na divisa com o município de Cabedelo. A água para abastecimento das casas é retirada do sistema Gramame-Mumbaba, da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba. Nesse sistema, esses dois rios se revezam no fornecimento de água para a cidade. Entretanto, o rio mais importante historicamente é o Rio Sanhauá, pois foi nas suas margens que nasceu a cidade e onde foram construídas as primeiras casas.21 Também há a Lagoa do Parque Sólon de Lucena no Centro da Cidade. A lagoa foi o principal ponto turístico da cidade durante a época em que a maior parte da cidade se encontrava longe das praias. No fim de 2010, nas comemorações do natal, a lagoa foi revitalizada e ganhou artifícios como música ambiente.

Lagoa do Parque Sólon de Lucena, no Centro
A capital paraibana conta com um litoral de cerca de 24 quilômetros de extensão, 9 praias só no município, fora as praias da Região Metropolitana, a exemplo da cidade de Cabedelo, da cidade de Lucena e do distrito de Jacumã no município do Conde, onde se localiza a Praia Naturista de Tambaba. As praias urbanas têm, como características, praias de areias brancas e águas cristalinas. Muitas têm Mata Atlântica preservada, além de serem ótimas para banho graças a uma barreira natural a cerca de 6 quilômetros da costa que protege grande parte do litoral pessoense e de Cabedelo, permitindo que crianças brinquem na água tranquilas. Existe o Projeto Tartarugas Urbanas, que atua nas praias do Bessa e Intermares, área onde ocorre a desova da tartaruga-de-pente, cenário de preservação ambiental. Na cidade, também há prática de surfe.

Dentre as principais praias, pode-se citar a Praia de Tambaú, que tem cerca de 8 quilômetros de extensão, sendo composta de areia batida e fina, com águas de cor verde-azulada, e também a Praia de Manaíra, uma praia totalmente urbana, formada por recifes, o que torna as suas ondas fracas, e por águas claras no verão. É ponto de vários quiosques e bares, contando com quadras de esportes na sua orla.

Praias
Praia fluvial do Jacaré
Praia de Intermares
Praia do Bessa
Praia de Manaíra
Praia de Tambaú
Praia do Cabo Branco
Praia do Seixas
Praia da Penha
Praia de Jacarapé
Praia do Sol
Praia da Barra de Gramame
Praia de Jacumã

Meio ambiente
João Pessoa foi considerada a "segunda capital mais verde do mundo", com mais de 7 m² de floresta por habitante, perdendo somente para Paris, França.8 Esse título de distinção lhe foi dado em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, 1992.

João Pessoa possui, dentro da cidade, duas grandes reservas de Mata Atlântica, que funcionam como verdadeiros "pulmões", além de mitigar o avanço da poluição. A primeira delas fica no bairro central do Róger e denomina-se Parque Arruda Câmara (ou "Bica", como é popularmente conhecida, devido à presença da Fonte Tambiá no local). Um misto de jardim zoológico e reserva florestal, a Bica possui exemplares da fauna e flora brasileiras, assim como animais de outros continentes. A outra reserva florestal importante é a Mata do Buraquinho, da qual uma parte foi recentemente transformada em Jardim Botânico. Com cerca de 515 hectares de mata virgem, cortada por riachos e fontes naturais, fica situada num dos maiores reservatórios que abasteciam a cidade. A Mata do Buraquinho umidifica o clima de João Pessoa e mantém sua temperatura mais estável e branda, mesmo no verão. A mata é preservada e cercada com intuito de proteção contra depredação, servindo como local de estudo para pesquisadores que se preocupam com a preservação da qualidade do meio ambiente. No entanto, são visíveis as invasões às margens da reserva Mata do Buraquinho. Podem ser constatados casos de invasão de território de preservação e desmatamento (favela Paulo Afonso), além da criação de comércios clandestinos, como a conhecida "Sucata do Italiano", no bairro de Jaguaribe.

Região metropolitana
A Lei Complementar Estadual 59, de 2003, criou o Condiam e a Região Metropolitana de João Pessoa, constituída pelos municípios de Bayeux, Cabedelo, Conde, Cruz do Espírito Santo, João Pessoa, lucena, Alhandra, Pitimbu, Caaporã, Mamanguape, Rio Tinto e Santa Rita. A região abriga atualmente uma população de 1 146 461 habitantes. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2009.

Demografia
Etnias
Pelo censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística referente a 2000, a maior parte dos pessoenses são pardos, com 285 334 pessoas (47,72%), seguidos de brancos, com 281 400 pessoas (47,06%), pretos, com 23 706 pessoas (3,96%), indígenas, com 1 789 pessoas (0,30%) e amarelos, com 752 pessoas (0,13%). 4 954 pessoas (0,83%) não se declararam.22

Convento de São Francisco, em João Pessoa
Religião
Em relação à religiosidade, a cidade, assim como o país, é dominada majoritariamente por católicos. Porém, há pequenas mudanças na religiosidade do pessoense. Em 1970, 94% dos cidadãos se consideravam da religião católica, contra 74% registrados em 2000. Enquanto que 5% da população pertenciam à religião evangélica em 1970, em 1991 esse número cresceu e chegou a 6,6% e alcançou 16% em 2000. 1,10% são espíritas e 7,41% não tem religião. Outras religiões têm pouca representatividade e não alcançam ao menos 1% cada uma.23 De acordo com os dados do Novo Mapa das Religiões, feito pela Fundação Getúlio Vargas com dados de 2009 da Pesquisa de Orçamento Familiar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 67,33% da população pessoense se identifica como católica, 11,01% são evangélicos pentecostais, 11,03% são outros evangélicos, sem religião (podendo ser ateus, agnósticos, deístas) são 6,86%, espíritas são 0,71%, religiões afro-brasileiras são 0,12% e outras são 2,94%.

População e domicílios
Crescimento populacional:24 1872 a 2012
Ano/Habitantes
1872 13 543
1890 34 645
1900 36 793
1920 52 990
1940 135 333
1950 167 326
1960 191 175
1970 230 546
1980 329 942
1991 497 214
2000 549 363
2010 723 515
2011 733 154
2012 742 478

Na cidade, há pouco mais de 170 000 famílias, numa média de 3,48 pessoas por domicílio, o que reflete a diminuição de pessoas na família média pessoense. Segundo censos, a redução no tamanho da família pessoense deve-se a função do rápido e intenso processo de diminuição da fecundidade nas últimas duas décadas e no aumento na parcela de domicílios que são mantidos financeiramente por mulheres. Na década de 1970, a família pessoense média tinha pouco mais de 5 membros. Hoje em dia, a composição tradicional da família é pai, mãe e filho.

A cidade revela um aprofundamento de algumas tendências e o afloramento de alguns novos padrões de distribuição espacial da população. No censo de 2000, o número de pessoas não naturais do município alcançou 28 500. Dez anos depois, a população da capital aumentou em quase 100 000 pessoas, sendo que boa parte delas é de filhos de pessoas naturais de outras cidades do estado, de outros estados do Brasil ou de outros países. Ainda segundo o censo de 2000, o número de estrangeiros na cidade é crescente, sendo que a maioria é de origem portuguesa (16,5%), peruana (10%), chilena (8%), seguidos de alemães, italianos, argentinos e bolivianos.

75,4% dos pessoenses residem em domicílios próprios, 18,3%, em imóveis alugados e outros 6,3%, em locais cedidos. Apesar de muitas famílias pessoenses terem seus domicílios próprios, muitas se encontram em domicílios muito pequenos com famílias numerosas e domicílios bem maiores com poucos moradores. Outro dado domiciliar relevante é a crescente verticalização: boa parte da cidade é alvo de verticalização excessiva. É crescente o número de pessoas residindo em apartamentos, por causa do enorme crescimento do número de unidades habitacionais deste tipo ao longo da década de 1970.

João Pessoa também é uma das 3 capitais que proporcionalmente possuem o maior número de famílias da classe A no Nordeste segundo a pesquisa da FGV com dados do Censo de 2010, assim como Recife e Aracaju
 

João Pessoa é uma cidade do Estado da Paraíba www.guiaparaibano.com.br . Mais informações aqui no GUIA Paraibano João Pessoa é a capital do estado da Paraíba É conhecida como "Porta do Sol", devido ao fato de, no município, estar localizada a Ponta do Seixas, que é o ponto mais orie Classificação: 5


Esta informação foi útil para você?




Notícias

15/08/2016 - Governo promove atividades dentro da programação do Mês da juventude
15/08/2016 - Ricardo Coutinho volta alfinetar aliança formada por Luciano Cartaxo, Cássio Cunha Lima e Manoel
15/08/2016 - Ricardo Coutinho diz que espera campanha eleitoral com melhor nível de discussão
15/08/2016 - Polícia revela conexão de Prefeitura pernambucana com campanha no Conde
15/08/2016 - Humorista Biuzinha tem morte cerebral confirmada pelo Trauma
15/08/2016 - Polícia Civil prende falso corretor de imóveis em Santa Rita
15/08/2016 - Bando cerca sede da PM, dispara vários tiros e explode agência bancária
15/08/2016 - Sine de João Pessoa inicia a semana com 81 oportunidades de emprego e nove vagas de estágio
15/08/2016 - Homem é assassinado a tiros na frente Igreja na Ilha do Bispo em João Pessoa
15/08/2016 - Policial é espancado em estabelecimento comercial durante assalto
15/08/2016 - PSOL projeta suas primeiras vitórias em João Pessoa
15/08/2016 - STF mantém decisão que garantiu atendimento a alunos especiais em João Pessoa
14/08/2016 - Internautas flagram vagão incendiado em Cabedelo
14/08/2016 - Trauma de João Pessoa confirma traumatismo craniano de Biuzinha
14/08/2016 - PT de João Pessoa lamenta morte de candidato a vereador em acidente
14/08/2016 - DNIT publica edital para obra de implantação da terceira faixa da BR-230
14/08/2016 - “Mundiça é ele”, dispara Maranhão sobre declarações de Rosas
14/08/2016 - Menor morre após acidente de moto; PM diz que vítima pegou o veículo escondido do pai
09/08/2016 - Ato contra Temer reúne mil pessoas em João Pessoa
09/08/2016 - PL propõe meia passagem nos ônibus de João Pessoa aos domingos
09/08/2016 - Troca de tiros deixa uma pessoa baleada nesta terça-feira em João Pessoa
09/08/2016 - Cida Ramos visita comunidade e recebe denúncia de moradores contra antiga gestão de João Pessoa
09/08/2016 - VEPA doa recursos para construção de Pavilhão no Presídio do Róger
09/08/2016 - Deputado cobra as mil câmeras de vigilância prometidas pela Prefeitura de João Pessoa
09/08/2016 - Luciano Cartaxo e Vitor Hugo registram candidaturas nesta terça-feira
09/08/2016 - Sine-JP realiza curso de capacitação para atendimento ao consumidor
09/08/2016 - Suspeito é baleado após troca de tiros com a polícia no Roger em João Pessoa
09/08/2016 - Por ciúmes do marido, mulher esfaqueia vizinha durante bebedeira no Conde
09/08/2016 - Luciano Cartaxo revela que não vai se licenciar do cargo para campanha
08/08/2016 - Criança de sete anos se afoga em piscina de condomínio em João Pessoa
07/08/2016 - Praticantes do Parkour de vários estados participam de evento em João Pessoa
07/08/2016 - PSTU rompe com o PSOL em João Pessoa e deixa Victor Hugo sem vice
07/08/2016 - Inscrições para Coro Infantil são prorrogadas em João Pessoa
07/08/2016 - PSTU rompe com a frente de esquerda em João Pessoa
07/08/2016 - Carro vai parar em cima de outro após colisão na BR 230
07/08/2016 - Tiroteios assustam moradores de João Pessoa
05/08/2016 - Farmácia, pizzaria e supermercado são assaltados em João Pessoa
05/08/2016 - Ricardo inaugura Unidade de Polícia Solidária no Altiplano e entrega veículos para reforçar segurança
05/08/2016 - Polícia apreende arma de fogo e detém suspeito em João Pessoa
05/08/2016 - Lúcia Braga disputará vaga na CMJP pelo PDT
05/08/2016 - Jovem é executado a tiros na manhã desta 6ª em Mari
05/08/2016 - João Pessoa está feliz com a revitalização do Parque das Três Lagoas
05/08/2016 - Coligação entre PSL, Rede e PPL homologa 41 candidaturas durante convenção em João Pessoa
05/08/2016 - Bessa vive onda de terror e ataques sem nenhum suspeito preso, em João Pessoa
05/08/2016 - Pokémon Go conquista fãs e João Pessoa terá evento de caça aos monstrinhos neste sábado
05/08/2016 - Wilson Filho diz que no ritmo de Luciano Cartaxo o Trevo das Mangabeiras sairia em 20 anos e o viaduto do Geisel em 50
05/08/2016 - Missa e procissão encerram parte religiosa, show no Ponto Cem Réis encerra a cultural
05/08/2016 - Postos de atendimento não abrirão neste sábado
05/08/2016 - PTB realiza convenção hoje em João Pessoa
05/08/2016 - Justiça multa Prefeitura de João Pessoa e manda cumprir TAC da Festa das Neves