Luciano Cartaxo perde poder fogo e base se prepara para fritá-lo na CPI da Lagoa

Cartaxo perde poder fogo e base se prepara para fritá-lo na CPI da Lagoa Cartaxo perdeu força para conter CPI da Lagoa O prefeito de João Pessoa está se comportando como aqueles amantes que não se conformam com o fim do relacionamento. Acossado pela base que ameaça romper e assinar a CPI da Lagoa em razão das muitas quebras de compromisso, uma característica de seu caráter que tem revoltado muita gente, Cartaxo tenta se recompor apelando para as lideranças maiores das principais legendas que apoiaram sua reeleição (PSDB e PMDB), como o senador José Maranhão, que já antecipou que será candidato para o ano até para atender uma exigência da direção nacional que quer que o partido tenha candidatura própria em todos os estados.   O principal problema do prefeito é a quebra de compromisso com os vereadores de sua base que estão vendo seus cargos comissionados sendo substituídos por indicações de lideranças do interior ligadas principalmente ao ex-deputado federal Ruy Carneiro atualmente na presidência estadual da legenda tucana.   O prefeito agora não sabe o que fazer porque se devolver os cargos aos vereadores da capital sofrerá um desfalque no interior por onde tem peregrinado levado pelas mãos de Ruy Carneiro cuja lábia tem convencido Cartaxo de que, a aliança de 2016 será mantida, o que já foi contestado, por exemplo, pelo prefeito de Campina Grande , Romero Rodrigues, cujo principal argumento é de que, pela sua grandeza o PSDB não pode deixar de ter candidato próprio em 2018.   Vereadores como Raíssa Lacerda, Damásio Franca Neto, Mangueira, Dinho e Durval (licenciado e em quarentena na Secretaria de Ciências e Tecnologia) remoem em silêncio suas queixas e mágoas, esperando a hora certa para dar o troco a Cartaxo, e parece que a CPI da Lagoa chega no momento adequado para esse acerto de contas.   Cartaxo, depois que os vereadores perceberam que ele não conseguirá mais manter o arco de partidos que o reconduziram a prefeitura e principalmente depois das declarações das principais lideranças do PSDB e PMDB sobre suas legendas terem candidatura própria, já não detém o mesmo poder de fogo e a tendência é ficar isolado na prefeitura e deixar de ser protagonista para ser mero coadjuvante.   Já se disse aqui que jabuti não sobe em poste e Cartaxo é um jabuti da política: chegou aonde chegou porque foi conduzido e não por méritos próprios. Sua ascensão será passageira e deve voltar para farmaciazinha da entrada do Róger muito breve.     Redação