MP pede arquivamento de processo contra padre suspeito de abuso sexual na Paraíba

O padre Jailson Souto, que estava sendo acusado de abusar sexualmente de um adolescente na cidade de Pitimbu, no Litoral Sul a 68 km de João Pessoa , teve o pedido de arquivamento do processo pelo Ministério Público da Paraíba, através da promotora Cassiana Mendes, da Vara Criminal de Caaporã. A informação foi confirmada ao Portal Correio, nesta terça-feira (27), pela advogada Laura Almeida, que faz a defesa do sacerdote.

“Dois pontos foram fundamentais para o pedido de arquivamento do processo criminal: carta divulgada pela suposta vítima e a ausência de provas testemunhais e documentais, que incriminassem o padre. O processo agora segue para o magistrado acatar a decisão da promotoria e encerrar de vez o caso, que já durava mais de um ano”, falou a advogada.

A defesa comentou ainda que o padre não guarda mágoas e disse que justiça foi feita. “Padre Jaildo falou que agora começa uma nova vida. Ele não tem mágoas de ninguém e tudo foi esclarecido, apesar todo processo ter sido doloroso para o padre”, disse Laura Almeida.

A partir de agora, o Tribunal Eclesiástico deverá decidir sobre o retorno das ordens ao padre. Caso isso aconteça, o sacerdote voltará a celebrar missas no estado. O Portal Correio tentou falar com o padre Jaildo, mas foi informado que ele está em um retiro de agradecimento deverá retornar a João Pessoa depois do ferido de finados.

Em contato com a assessoria de imprensa da Arquidiocese da Paraíba, o Portal Correio foi informado que a posição da Igreja é de aguardar a conclusão do processo para ver o que vai acontecer com o padre Jaildo. Ainda segundo a assessoria, caso o padre volte a receber autorização para atuar, poderá não fazer mais parte da comunidade religiosa em Pitimbu.

“Desde que surgiram as denuncias o referido padre foi afastados das funções eclesiais, até para facilitar o processo de defesa dele. É isso que continua no momento, ele ainda segue afastado das funções até que o processo acabe. Vamos aguardar as análises internas, da Igreja, e do MPPB. Mesmo tendo de volta as funções, o padre poderá não retornar para Pitimbu e exercer a função em outra localidade”, disse a assessoria da Arquidiocese.

Entenda o caso
A Delegacia Seccional do Litoral Sul da Paraíba abriu investigação criminal contra o padre Jaildo Souto que foi denunciado em fevereiro de 2014, por crime de abuso sexual. O "termo de declaração" foi registrado na delegacia da cidade de Pitimbu (na região metropolitana de João Pessoa , a 64 quilômetros da Capital), à época pelo delegado Elias José Rodrigues Silva.

Conforme consta no "termo de declaração" do jovem que hoje está com 21 anos, o primeiro contato amoroso com o padre teria ocorrido em 2008, quando residia em Pitimbu. Ele era menor de idade e o sacerdote teria lhe oferecido "bens valiosos em troca de carícias”.