Operação Praia Limpa começa em João Pessoa

Uma operação que visa manter a balneabilidade das praias urbanas de João Pessoa , por meio de manutenções preventivas na rede de esgotamento sanitário instalada na região da orla pessoense, teve início nessa sexta-feira(16). Trata-se da "Operação Praia Limpa", realizada pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa).

O trabalho, que envolve caminhões de jato e sucção, será realizada durante os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, sempre às sextas-feiras e sábados, das 5h às 8h. "Optamos por esse horário para não atrapalhar o fluxo de veículos", destacou o presidente da Cagepa, Marcus Vinícius Neves, que acompanhou o início dos serviços.

Nesta sexta-feira, equipes da Cagepa fizeram a limpeza da rede coletora e de ramais de esgotos instalados na Avenida Almirante Tamandaré, entre o Busto de Tamandaré e o Largo da Gameleira, na praia de Tambaú. Neste sábado (17), a Operação Praia Limpa atuará na Avenida Cabo Branco.

"Concentraremos nossas equipes no trecho entre o Busto de Tamandaré e as imediações do Bar do Cuscuz. No próximo final de semana, daremos sequência à operação em outros trechos da orla", informou o engenheiro Thiago Pessoa, gerente regional da Cagepa no Litoral.

Campanha educativa ? Paralelamente aos serviços de manutenção preventiva, a Cagepa fará uma campanha educativa por toda a extensão da orla urbana de João Pessoa , visando conscientizar a população, os turistas e proprietários de bares e restaurantes sobre a necessidade de utilizar o sistema de esgotamento sanitário de forma adequada.

"Utilizaremos nossa equipe de Educação Ambiental para orientar as pessoas através de folhetos educativos, com o objetivo de orientá-las sobre como usar a rede de esgotos adequadamente", revelou o presidente da Cagepa.

"Aqui na região da praia, por exemplo, em virtude do grande número de bares, hotéis e restaurantes, o que mais colabora para a obstrução da rede é o despejo de alimento e óleo na pia da cozinha. Além dos transtornos, isso acaba causando um grande prejuízo aos cofres públicos", alertou Marcus Vinícius Neves.