Vacinação contra H1N1 é marcada por tumultos em Campina Grande

Segundo informações da DR. Eliete Nunes, diretora de vigilância em saúde , o hospital acabou sendo invadido e a diretoria achou por bem suspender os serviços e acionar o reforço policial. Ainda de acordo com ela, a secretaria de saúde já estuda a possibilidade de manter o mesmo procedimento para a sequência do calendário de imunização caso seja necessário.

"Considero lamentável o fato ocorrido principalmente neste momento de fragilidade que estamos vivendo. Pessoas que não estão incluídas no grupo prioritário pelo Ministério da Saúde tentam tomar a vacina a força, tumultuando a unidade hospitalar e ameaçando profissionais, inclusive para o ISEA tivemos que chamar reforço da PM, para proteger o ambiente hospitalar, a secretaria pretende para os próximos dias, se necessário acionar a Guarda Municipal e Polícia Militar  para garantir a integridade do pessoal", relatou Eliete.